Itaú e XP voltam a brigar em público, agora por causa dos cartões

Itaú e XP voltam a brigar em público, agora por causa dos cartões

Cynthia Decloedt e Fernanda Guimarães

25 de março de 2021 | 05h00

O recém-lançado cartão da XP

 

Mais uma vez, Itaú e XP se desentendem em público. Desta vez, o palco foi o LinkedIn e a discórdia envolveu as vantagens relacionadas ao programa de milhagens do recém-lançado cartão de crédito XP Visa Infinite. Em postagem publicada em sua página na rede social ontem à noite, o fundador da XP, Guilherme Benchimol, apresenta um cálculo matemático dos sistemas de fidelidade dos bancos tradicionais e o contrapõe a “vantagens” proporcionadas por seu cartão, ao oferecer benefício em dinheiro e não em milhas. Além disso, lembra que o juro de seu cartão é 50% menor do que dos concorrentes. No ano passado, foi o Itaú Unibanco trouxe uma campanha publicitária na televisão criticando o modelo de remuneração de agentes autônomos, que foi prontamente respondida pela XP.

Leia também: Campanha do Itaú ataca agentes autônomos e provoca reação forte da XP

Além de uma enxurrada de questionamentos de seguidores de Benchimol à respeito do cálculo, o Itaú Unibanco respondeu, por meio de um post também no LinkedIn. O diretor executivo do banco, Carlos Formigari, diz em uma postagem haver necessidade de corrigir equívocos de um de “nossos concorrentes”. Ele rebate várias premissas usadas nas contas de Benchimol, como o uso do dólar para a conversão de pontos ou as amarras para troca das milhagens.

No lançamento do cartão, Benchimol já havia sinalizado que partiria para uma nova briga com os grandes bancos e ampliaria a disputa para outros segmentos além do universo do investimento. Ele comentou sobre a expectativa de que os clientes abandonariam definitivamente os bancões e que trabalhará para destruir as receitas das maiores instituições, acumuladas em cima de tarifas excessivas. No post do LinkedIn, Benchimol aparece em foto com uma tesoura na mão e um cartão, com a chamada corte relação com seu banco.

Saiba mais: Por duas vezes hoje, XP recomenda Itaú a deixar a empresa se não acredita em seu modelo

Procurados, o Itaú Unibanco não comentou. A XP afirmou, em nota, que o Brasil é referência mundial na cobrança de altas taxas de juros nos cartões e que grande parte dos benefícios oferecidos pelos bancos acabam não se materializando ou expirando antes do prazo de validade. Há também a cobrança de taxa de anuidade que impacta negativamente o bolso do cliente. Na mesma nota, a XP convida concorrentes a acabarem com taxas de anuidade, reduzirem juros e oferecerem benefícios cuja escolha seja do cliente e não através de uma matemática complexa, onde muitos sequer entendem e acabam não utilizando completamente os benefícios.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 24/03/2021

O Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

 

Tudo o que sabemos sobre:

XP; Itaú; briga; cartões

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.