Itaú vira protagonista em OPA da Prumo

Itaú vira protagonista em OPA da Prumo

Coluna do Broadcast

25 de janeiro de 2017 | 05h00

itau_nilton_fukuda_ae2

(Foto: Nilton Fukuda/Estadão)

O Itaú será protagonista no possível fechamento de capital da Prumo Logística, empresa da qual é acionista minoritário com 4,75%. Isso porque deverá ficar na mão do banco a decisão de realizar ou não o segundo laudo de avaliação para a Oferta Pública de Aquisição (OPA) das ações da empresa. Minoritários da Prumo pediram ao conselho da companhia uma assembleia de acionistas para tratar do novo laudo. Para o sucesso do pedido, no entanto, mais de 50% dos minoritários precisam aprová-lo.

Dois lados

A Prumo possui dois acionistas minoritários relevantes: o Itaú e o fundo árabe Mubadala, com 6,90%. A indicação, porém, é de que este último apoie o fechamento de capital proposto pelo fundo americano EIG, que controla a Prumo com 75% do capital. Os minoritários, assim, teriam que contar com o Itaú para aprovar o novo laudo. As participações de Itaú e Mubadala na Prumo foram herdadas de Eike Batista, de quem eram credores.

A EIG aceitou subir o preço da ação na OPA, de R$ 6,69 para R$ 10,51, mas quer que o Itaú se mantenha como acionista da empresa. Além disso, o EIG diz que só pagará R$ 10,51 se não houver um segundo laudo. Essa é a terceira tentativa do EIG de fechar o capital da Prumo.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.