Já com R$ 75 mi captados em fundos, Vitreo manda carta à XP

Já com R$ 75 mi captados em fundos, Vitreo manda carta à XP

Fernanda Guimarães

06 de dezembro de 2019 | 10h00

 

A gestora Vitreo, que lançou nesta semana dois fundos de olho da oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da XP Investimentos nos Estados Unidos, na Nasdaq, já captou R$ 75 milhões com 4,5 mil clientes e enviou ontem carta à XP pedindo reconsideração de seu posicionamento de não alocar fundos locais no IPO, justificando de que haveria risco da oferta ser considerada irregular. Dentre os argumentos, a Vitreo afirma que instrução da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o regulador do mercado de capitais no Brasil, não faz diferenciação entre ofertas no Brasil e no exterior e que dessa forma o entendimento da gestora é de que não há vedação para que fundos locais adquiram ações em companhias abertas no exterior, seja no mercado secundário ou em IPOs.

Saiba mais: XP define valor de ação em IPO nos EUA e oferta pode chegar a US$ 2 bilhões

Além disso, a gestora afirma que os esforços de venda da XP em sua oferta foram realizados exclusivamente no exterior e que, assim, não há razão para que a oferta seja considerada irregular por essa razão. A Vitreo frisa que buscou, por “sua iniciativa e meios próprios, obter informações sobre o IPO disponíveis da Securities and Exchange Commission (SEC), sem qualquer abordagem de distribuidores contratados”.

Mesma lógica

Ainda na carta, a gestora frisa que se essa lógica fosse verdadeira e fundos apenas pudessem comprar ativos registrados perante o regulador de seu país de origem, os IPOs no Brasil não poderiam contar com a participação de fundos gringos, o que não é verdade. Além disso, a Vitreo frisa que não existe no prospecto da XP “qualquer restrição para que investidores brasileiros participem do IPO”.

Saiba mais: Fundo da Vitreo que pretende fazer pessoa física do Brasil participar de abertura de capital da XP é questionado

Captação

Lançada há cerca de um ano, a Vitreo, que tem entre seus sócios Patrick O´Grady, ex-sócio da XP e Paulo Lemann, filho de Jorge Paulo Lemann, está atualmente com 13 fundos na prateleira e alcançou nesta semana R$ 4 bilhões sob gestão.

Leia mais: Executivos da XP embarcam no fim de semana para Nova York para IPO

Notícia publicada no Broadcast dia 06/12/2019, às 09:32:12

Contato: coluna.broadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: