Johnson & Johnson paga aluguel de sede em São Paulo com um mês de atraso

Johnson & Johnson paga aluguel de sede em São Paulo com um mês de atraso

Circe Bonatelli

02 de dezembro de 2021 | 05h30

Área da Vila Olímpia, na capital paulista, onde está localizada a sede da J&J  Foto: Tiago Queiroz/Estadão

A Johnson & Johnson, donas de marcas de cuidados pessoais como Johnson’s, Sempre Livre e Neutrogena, entre outros, atrasou o pagamento de quase R$ 800 mil de aluguel da sua sede na cidade de São Paulo. A multinacional ocupa cinco andares da torre B do Complexo JK, empreendimento nobre que também abriga o Santander e o shopping de luxo Iguatemi JK – praticamente um Rockefeller Center brasileiro.

O depósito da Johnson & Johnson deveria ter sido feito há um mês. Nos bastidores, a explicação foi de que a empresa cometeu um erro operacional. Depositaram o dinheiro em conta errada, mas só foram notificados do engano esta semana.

Quem não gostou nada do calote foram os cotistas do fundo VBI Prime Properties, dono do edifício. O aluguel da Johnson & Johnson corresponde a aproximadamente 12% dos dividendos do mês. O administrador do fundo, o BTG Pactual, comunicou o mercado sobre o problema na manhã de ontem.

No mesmo dia em que o imbróglio se tornou público, a J&J fez o pagamento. Com isso, o fundo imobiliário fará uma distribuição complementar de dividendos. A empresa disse que manteve contato contínuo com o proprietário para tratar a questão e reiterou  seu compromisso com a transparência e relações éticas com seus parceiros e fornecedores.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 01/12/21, às 12h18.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.