Juiz da Avianca pede que cenário de Elliot menor seja considerado hoje

Juiz da Avianca pede que cenário de Elliot menor seja considerado hoje

Cynthia Decloedt

29 de março de 2019 | 13h41

 A Assembleia de credores da Avianca, desta tarde, vai debater um cenário adicional, em que a gestora norte-americana Elliot, até então o maior credor da companhia, com R$ 2 bilhões, será considerada um credor menor, com dívidas de R$ 672,6 milhões. Isso quer dizer que seu poder de decisão em eventual votação do plano de recuperação da empresa na assembleia, se acontecer, fica reduzido. A dívida total da Avianca é de R$ 2,7 bilhões, excluindo o passivo junto à arrendadores de aeronaves.
Marcando mais uma reviravolta no andamento do processo, ontem à noite a Swissport Brasil, empresa de serviços aeroportuários com dívidas de R$ 16,8 milhões, adicionou aos autos do processo de recuperação judicial da Avianca, contestação sobre o tamanho do crédito da Elliot, alegando que uma parte da dívida considerada diz respeito a garantias prestadas pela Avianca a negócios dos irmãos Efromovich, como o estaleiro Elsa.

Palavra final
O juiz da RJ, Tiago Limogis, em seguida, pediu ao administrador judicial que considerasse também esse cenário na votação do plano esta tarde. A decisão final sobre qual cenário prevalecerá caberá ao Juiz, que até então tem se posicionado a favor da sobrevivência da empresa. Em conversa com o Broadcastrecentemente, o juiz apontou que diante da complicada disputa em torno do processo, o melhor para garantir o menor prejuízo possível a empregos e passageiros seria uma solução de mercado.