Juro menor faz Bradesco visar cliente institucional

Juro menor faz Bradesco visar cliente institucional

Coluna do Broadcast

08 de agosto de 2019 | 04h00

O cenário de baixas taxas de juros no Brasil levou o Bradesco BBI a lançar uma nova área de negócios, voltada ao segmento institucional, como fundos de investimento e de pensão. Embora tenha acabado de colocar os pés no segmento, o banco almeja a liderança do chamado “prime brokerage” no País, de olho em uma indústria da ordem de R$ 4 trilhões. Com foco em clientes institucionais, o serviço é muito utilizado também pelos hedge funds por conta das ferramentas de compensação, suporte operacional, liquidação e gerenciamento de risco. Esse é um mercado já bastante consolidado no mundo e, por aqui, oferecido basicamente pelos bancos internacionais. Juan Briano, chefe de global markets do Bradesco BBI, é quem comandará esse novo segmento, de Nova York.

Novos tempos. A investida do Bradesco acontece em um momento em que os fundos devem começar a se alavancar em suas operações, porta que se abriu com o ambiente de Selic baixa. Com a estrutura, o banco se posiciona para brigar por um espaço nesse movimento que tende a crescer ao mesmo tempo em que a arena que se transformou a indústria de investimentos obrigou as grandes instituições financeiras a se mexerem para buscar novas frentes de receitas.

Tudo junto. Além do serviço de prime brokerage, o Bradesco quer cruzar as áreas que atendem esses clientes, ofertando serviços de outros segmentos do banco, tais como custódia, tesouraria, câmbio e crédito. A área nasce com uma equipe de nove pessoas, que coordenará as sinergias com as demais áreas. Na medida em que os clientes forem destinando mais recursos em operações fora do Brasil, o banco quer, mais à frente, expandir sua atuação, para prestar o atendimento em diversos mercados.

Contato: colunadobroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem delay, assine o Broadcast+

Tudo o que sabemos sobre:

bradesco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: