L2 Partners lançará fundo com urânio entre os ativos

Denise Luna

14 de junho de 2020 | 05h16

Rio, 14/6/2020 – A L2 Capital Partners vai lançar na sexta, 19, um fundo multimercado com investimento direto no exterior que terá entre seus ativos o mercado de urânio. Segundo o gestor Marcelo López, apesar de a cotação ter despencado desde o acidente em Fukushima, o mineral deverá fechar o ano com o melhor desempenho entre as commodities. O produto será vendido na plataforma BTG Digital.

As duas das maiores minas de urânio do mundo estão fechadas e as outras com a produção suspensa ou cancelada. O nível dos estoques, segundo ele, também está nas mínimas históricas. O preço do urânio, que chegou a tocar US$ 17/libra-peso após o acidente, em 2011, era cotado em torno dos US$ 32/l em abril. Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o preço justo seria de US$ 60/l.

Investimento em energia nuclear volta a crescer ao redor do mundo

Segundo Lópes, a narrativa em relação ao urânio mudou, por conta dos investimentos de US$ 1 bilhão feitos por Bill Gates e do apoio do presidente dos EUA, Donald Trump. Este ano entram em operação 13 reatores no mundo e mais 13 ano que vem. Atualmente há 450 reatores nucleares em operação e outros 50 em construção.

Apesar de o Japão ter anunciado sua saída da área após o acidente em Fukushima, o país está retomando o projeto nuclear, com nove usinas em funcionamento e mais 17 sendo construídas. O objetivo é chegar a 2030 com 20% da energia gerada por centrais nucleares. Países como Espanha e França, que anunciaram que iriam parar de produzir energia nuclear também reviram planos.

Até mesmo no Brasil, onde o setor anda de lado desde os escândalos de corrupção na construção da usina nuclear Angra 3, a sinalização é de retomada do empreendimento que teve as obras paradas. Devem ser construídos mais 5 mil megawatts de geração nuclear no longo prazo, conforme o Plano Nacional de Energia (PNE) que está para se divulgado. O País está há 5 anos sem produzir urânio, com volta prevista para o segundo semestre e pretende fazer licitações de minas em 2021.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: