Líderes e funcionários têm visão diversa sobre trabalho remoto

Líderes e funcionários têm visão diversa sobre trabalho remoto

Cristiane Barbieri

16 de novembro de 2021 | 05h45

O trabalho remoto mudou empresas e trabalhadores, mas os líderes não conseguem perceber a profundidade das dificuldades enfrentadas por suas equipes. A diferença entre a percepção do time operacional e os CEOs chega a 20 pontos porcentuais em relação à crença de que as companhias gerenciam bem as horas de trabalho, 28 pontos de que são eficazes na prevenção do burnout, e 41 pontos na satisfação das experiência de seus funcionários.

Os dados foram revelados na edição 2021 do Global Workplace Report, da provedora de serviços de tecnologia NTT. Com 1.146 entrevistas em 23 países, inclusive no Brasil, o levantamento mostrou que dois terços dos funcionários dizem não estar equipados com todas as ferramentas que precisam para trabalhar em casa. Além disso, apenas 38% afirmam que as empresas valorizam completamente sua saúde e bem-estar, e 23% dizem que estão muito felizes trabalhando na empresa atual.

Segundo Alex Bennett, vice-presidente sênior da NTT, a realidade da necessidade dos funcionários é complicada, e qualquer falha em avaliar e responder corretamente a esse fato apresenta risco para as companhias. Para ele, o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal e o tempo de deslocamento são agora os dois maiores fatores que as pessoas consideram ao decidir onde vão trabalhar.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 15/11, às 18h11.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

home officetrabalho remotorecursos humanos

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.