Linx não era caso de vida ou morte, diz presidente da Totvs

Linx não era caso de vida ou morte, diz presidente da Totvs

Cynthia Decloedt

24 de novembro de 2020 | 10h24

Embora não exista no mercado brasileiro outra empresa com porte e perfil semelhante ao da Linx, a perda da oportunidade de incorporar a fabricante de softwares para a empresa de maquininhas Stone não significa o fim da linha para a Totvs, de acordo com seu presidente, Dennis Herszkowicz. “Não era caso de vida ou morte, por isso não fizemos nenhuma loucura”, disse ele, ao Estadão/Broadcast. “Se fosse caso de vida ou morte, entraríamos na guerra de preço.”

Dennis Herszkowicz, presidente da Totvs: “Não era caso de vida ou morte e, por isso, não fizemos nenhuma loucura”

Segundo Herszkowicz, a Linx atua de fato em um segmento no qual a Totvs quer avançar – o varejo – e já estava pronta para caminhar a passos largos. O desfecho do negócio, porém, não reduz a capacidade competitiva da Totvs, cujo negócio é muito mais amplo, afirmou.

“Do ponto de vista prático, pouco muda no médio e longo prazos, dado que de longe somos a maior empresa de softwares do mercado e uma atuação muito ampla em termos de segmentos da economia e porte de clientes”, afirmou Herszkowicz. Por ser totalmente voltada ao varejo, o grau de concorrência que a Linx faz e fará, disse ele, mesmo que acoplada à Stone, é baixo.

A verdade, porém, é que a Totvs brigou até o último minuto nos últimos três meses para levar a Linx. Por conta de sua intervenção, a proposta de aquisição aprovada após uma série de ajustes fez com que a Stone pagasse quase R$ 700 milhões acima do inicialmente ofertado. Foram R$ 6,7 bilhões desembolsados pela Linx. Para a Totvs, essa é uma história que ficou no passado.

Plano é preencher vácuo do varejo com outras aquisições

Se as negociações ficaram para trás, o nicho em a Linx atua, não. A Totvs deve seguir com aquisições para “preencher” o vácuo de um espaço no qual não é tão forte quanto deseja nesse momento. “Temos presença em varejo, no segmento de supermercado e atacadistas, nos quais estamos consolidados”, afirmou. “Não existe no mercado um substituto à Linx, mas há alternativas para ampliar nossa relevância no varejo e essa é uma das vertentes (em que trabalha) nossa área de M&A (fusões e aquisições, na sigla em inglês).”

Herszkowicz disse ainda que, no segmento financeiro, de grande importância para seu negócio, o nicho específico de adquirência é uma oportunidade menor, dentro do que a empresa tem traçado em seus planos. “Estamos nela em parceria com a Rede (do Itaú). Seria grande se tivéssemos levado a Linx”, disse.

Os maiores negócios para a Totvs no setor financeiro estão, de acordo com Herszkowicz, na cadeia B2B (entre empresas) do crédito e consignado. “Temos 30% dos CLTs (pessoas físicas contratadas com carteira assinada) privados recebendo holerites por sistemas de RH da Totvs”, afirmou.

Com 40 aquisições na história da Totvs, Herszkowicz disse que a ideia é preencher quatro pilares para reforçar o que a empresa chama de “core” dos softwares de gestão. “Queremos aumentar nossa presença em verticais específicas, criar oportunidades de cross sell e continuar construindo as novas dimensões do ecossistemas techfin, gestão e business performance, para soluções que ajudem cliente a vender mais”, disse.

Pandemia priorizou investimentos em tecnologia

Nesse sentido, a pandemia trouxe oportunidade para a Totvs explorar segmentos de indústria, logística e serviços de modo geral. Para ele, ficou claro para muitos empresários que investiram pouco em tecnologia, por falta de visão ou de recursos, a necessidade de priorizar a área.

“São nestas oportunidades que estamos focando, na estratégia de ecossistemas que está a grande construção de valor que teremos. Nos últimos dois anos, já quadruplicamos e olhando para a frente podemos multiplicar”, disse, sem dar prazos.

No terceiro trimestre, a Totvs divulgou lucro líquido de R$ 79,3 milhões, queda de 9,3% sobre o mesmo período de 2019. A empresa tem valor de mercado de R$ 15,9 bilhões e, segundo seu presidente, não pretende dar sequência a abertura de seu capital na bolsa norte-americana neste momento. “É algo que sempre avaliamos, mas entendemos que a listagem dupla é complexa, além de diluir a liquidez e aumentar custos”, afirmou.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 23/11/2020, às 14:53:42 .

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: