Lista de ofertas de ações canceladas já soma R$ 7 bi e deve aumentar

Lista de ofertas de ações canceladas já soma R$ 7 bi e deve aumentar

Altamiro Silva Junior

11 de janeiro de 2022 | 05h10

Além das que cancelaram agora, há outras com ofertas suspensas desde outubro  Foto: Daniel Teixeira/Estadão

O ano começou com várias empresas anunciando desistência dos planos de abrir o capital na B3. E a lista de cancelamentos pode aumentar nos próximos dias, com a volatilidade no mercado financeiro local e externo não dando mostras de redução. Até agora cinco companhias desistiram neste começo de 2022 de fazer ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) – Dori Alimentos, Ammo Varejo, Environmental ESG Participações, Vero e Monte Rodovias -, em operações que poderiam movimentar perto de R$ 7 bilhões.

Há ainda as empresas que estão com ofertas suspensas desde outubro do ano passado e o prazo dado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), 90 dias de suspensão, acaba nos próximos dias. Entre estes nomes, estão a rede de supermercados Cenconsud, a incorporadora de galpões e condomínios Fulwood, a Interplayers Soluções Integradas, que desenvolve soluções de integração para o mercado de saúde e bem-estar, e as empresas de cibersegurança Ish Tech e Claranet Technology.

Entre as que cancelaram ofertas agora, a Dori Alimentos, fabricante de doces, balas e snacks, havia pedido em outubro suspensão do IPO, quando o mercado desandou por conta do aumento do risco fiscal do Brasil. Agora, resolveu desistir da operação, que poderia girar R$ 1 bilhão.

A Ammo Varejo, grupo dono da marca MMartan, tinha planos de captar ao menos R$ 700 milhões. Mas desde meados de agosto, o mercado se fechou para novas ofertas de ações no Brasil. A companhia é controlada pela mineira Coteminas, fundada pelo ex-vice-presidente da República José Alencar. Controlada pela Ambipar, de gestão de resíduos, a Environmental ESG Participações estava preparando uma das maiores ofertas do segundo semestre de 2021, com captação podendo bater em R$ 3 bilhões.

Já a Monte Rodovias, empresa da Monte Equity Partners que opera concessões no Nordeste, planejava desde meados do ano passado um IPO apenas com oferta primária, com recursos destinados a pagamento de dívidas, reforço do caixa e aquisições de outras companhias. A Vero, provedora de internet, tinha planos de fazer uma oferta de R$ 1 bilhão.

Janela para captações

Nos bancos de investimento, a expectativa é que uma janela para captações na Bolsa se abra nesta primeira metade de 2022, ao menos até junho, permitindo que algumas poucas operações saiam. Mas a visão é que o investidor vai ficar ainda mais seletivo, por causa dos juros subindo a dois dígitos no Brasil e da crescente aposta de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) vai começar a elevar os juros em breve nos Estados Unidos. Bancos como JPMorgan, Citi e Goldman Sachs passaram a prever altas de juros já em março, com chance de quatro elevações em 2022.

Parte das empresas que suspenderam seus IPOs desde agosto do ano passado, segundo as fontes, pode voltar com a operação em outro momento. Em 2021, quase 70 empresas cancelaram ofertas iniciais de ações, segundo a CVM.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 10/01/22, às 18h22.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.