Magalu ultrapassa valor de R$ 100 bi na Bolsa pela primeira vez

Magalu ultrapassa valor de R$ 100 bi na Bolsa pela primeira vez

Matheus Piovesana

27 de maio de 2020 | 05h30

Mesmo com a maior parte das lojas fechadas por conta da pandemia, o Magalu ultrapassou, pela primeira vez, a marca de R$ 100 bilhões em valor de mercado desde que colocou os pés na Bolsa brasileira, em 2011. O empurrão veio dos resultados do primeiro trimestre, que arrancaram adjetivos como “impressionante” e “histórico” de analistas de mercado. Motivo: a alta de 73% do comércio eletrônico, no qual deve se consolidar o futuro do setor. Os números fizeram a ação do Magazine Luiza disparar na B3 e atingir seu maior preço histórico – considerando na conta os grupamentos e, posteriormente, os desdobramentos pelos quais passou desde a oferta inicial de ações. Na máxima do dia (até agora), o papel saltou 12,79%, a R$ 68,13. O preço deu ao Magalu um valor de mercado de R$ 110,7 bilhões.

Magalu ultrapassa BB e Santander

O número torna o Magalu mais valioso até mesmo que pesos pesados do setor financeiro como Banco do Brasil (R$ 88,1 bilhões) e Santander Brasil (R$ 95,2 bilhões). No varejo, a empresa mais próxima é a B2W, que vale R$ 49 bilhões. A Renner, até abril a mais representativa do setor no Ibovespa, vale menos de um terço (R$ 31,1 bilhões).

Perdas pós-Carnaval foram recuperadas

Embalada pela euforia com o e-commerce na B3, a ação da empresa da família Trajano apagou todas as quedas que sofreu após o Carnaval. Em 2020, sobe mais de 41% – só fica atrás da B2W, que pelos mesmos motivos, dispara 48%.

A surpresa foi tanta que casas de análise importantes revisaram para cima os modelos para o Magalu, algo raro em meio à recessão que se aprofunda. A XP Investimentos agora vê o papel chegando a R$ 71; o Itaú BBA admitiu que logo terá de mudar seus cálculos.

Notícia publicada no Broadcast dia 26/05/2020, às 14:20:02

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

Magalumagazine luizacomércio eletrônico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: