Mais de 25 shoppings no País sofrem com ‘abre-e-fecha’ durante pandemia

Mais de 25 shoppings no País sofrem com ‘abre-e-fecha’ durante pandemia

Circe Bonatelli

18 de junho de 2020 | 05h10


Shopping Light, no Centro de São Paulo. Crédito da Foto: João Alvarez/Fotoarena/ Estadao Conteúdo

 

São Paulo, 18/06/2020 – O setor de comércio está sentindo na pele os efeitos do abre-e-fecha em meio às incertezas sobre a evolução da pandemia do coronavírus. Dezenove shopping centers reabriram as portas após a flexibilização da quarentena, mas foram obrigados a fechar novamente após o avanço dos casos de contaminação nas suas cidades, frustrando a expectativa de uma retomada dos negócios. Esses foram os casos de Porto Alegre (RS), Ribeirão Preto (SP) e Betim (MG), entre outras. Já outros seis shoppings reabriram, fecharam e reabriam outra vez.

Neste momento, o Brasil tem 431 shoppings reabertos, o equivalente a 75% do total, em 156 municípios. No Estado de São Paulo são 172 unidades em operação. Os dados são da Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce).

Shoppings abrem linha de crédito para socorrer lojista

Para dar uma força aos comerciantes que viram as vendas despencarem na quarentena, o Banco Inter e a AD Shopping, que administra 35 empreendimentos, fizeram uma parceria para oferecer aos lojistas uma linha de crédito de R$ 300 milhões para capital de giro.

O Banco Inter já havia fechado uma parceria nos mesmos moldes com a BRMalls, em abril. Entre os administradores de shoppings, há o temor que muitos lojistas fiquem dependentes de descontos prolongados nos aluguéis para não quebrarem, ou até mesmo decidam fechar as portas de vez.

A linha é do tipo home equity, modalidade na qual o varejista poderá captar o recurso dando como garantia um imóvel próprio, seja ele residencial ou comercial. As taxas giram em torno de 1% a 1,29% ao mês, com pagamento da primeira parcela em até seis meses e parcelamento em até 240 meses.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: