Marca de cigarro mais vendida no Brasil vem do Paraguai

Marca de cigarro mais vendida no Brasil vem do Paraguai

Cristiane Barbieri

04 de março de 2020 | 05h00

Depois de se tornar líder global em consumo de cigarros contrabandeados, em termos de volume, o Brasil deve passar a Malásia em participação de mercado de tabaco ilegal, segundo a consultoria Oxford Economics. No ano passado, 57% dos cigarros fumados no País entraram ilegalmente e a estimativa é que cheguem a 60% até o fim do ano. Com esse cenário, a líder hoje é a paraguaia Eight, com 16% de participação de mercado, de acordo com o Ibope Inteligência. Ela é seguida de perto, na terceira posição, pela Gift, que tem 10% do total e também contrabandeada. Somadas, representam mais de um quarto do mercado. Aliás, no ranking das dez marcas de cigarros mais vendidas, quatro são do Paraguai – e o número de consumidores fiéis a esses produtos têm aumentado.

Fidelização. Pesquisa da Kantar disponibilizada para a Oxford, que será divulgada hoje, em Brasília, mostrou que o número de consumidores que se declaram leais às marcas ilegais triplicou em quatro anos. O estudo constatou que o índice de fumantes que se declaravam leais ao Gift aumentou de 2% em 2015 para 7,7% em 2019. Já a Eight, também ilegal, aumentou de 11,8% para 16,2% no mesmo período.

Empobrecimento duplo. Entre os motivos, está o empobrecimento da população com a crise econômica – principalmente as classes C, D e E – e a alta dos impostos. No Brasil, a taxação dos cigarros varia de 70% a 90%, dependendo do Estado. Já no Paraguai, o produto é taxado em 18%. Com isso, enquanto a média de preço dos cigarros fabricados por aqui é de R$ 7,51, o ilegal é vendido por R$ 3,44, menos da metade do produto legal.

Facada. Segundo o economista Marcos Casarin, autor do estudo da Oxford Economics, a curva do imposto saiu do ponto ótimo: a carga tributária ficou tão grande, que o Estado passou a arrecadar menos, foram criados menos empregos e estimulado o crime organizado. Por outro lado, o consumo não diminuiu, mas migrou para o comércio ilegal.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Quer saber mais sobre o Broadcast? Fale conosco

 

Tudo o que sabemos sobre:

cigarroscontrabando

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: