Com alta na bolsa, Marfrig é sondada para ofertar ações

Com alta na bolsa, Marfrig é sondada para ofertar ações

Fernanda Guimarães e Cynthia Decloedt

08 de maio de 2020 | 05h35

Uma das poucas empresas da Bolsa brasileira que mantém elevada valorização a despeito da covid-19, a Marfrig, do empresário Marcos Molina, foi procurada hoje por bancos de investimento para a realização de uma oferta de ações (follow on). No entanto, o frigorífico teria rechaçado a ideia.

A Marfrig já fez uma oferta, de cerca de R$ 3 bilhões, em dezembro do ano passado. Desse total, R$ 2 bilhões foram para o caixa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que deixou de ser sócio. A proposta para a realização de uma oferta não é à toa: ao contrário do que tem sido observado no mercado, a leitura é de que a Marfrig poderá ter neste ano um dos melhores da sua história: foi essa a conclusão de relatório de hoje do Credit Suisse. O mesmo documento, que ajudou na alta das ações de hoje, teria sido utilizado como um argumento para o bom momento para a oferta. Além do dólar elevado ajudar as exportadoras, a Marfrig pode se beneficiar do fechamento temporário de frigoríficos nos Estados Unidos e está bem posicionada no mercado chinês. Os bancos teriam argumentado que a Marfrig teria facilidade para fazer caixa, como forma de precaução, já que não se sabe quando o fim da crise vai chegar. No ano, a ação da Marfrig acumula alta de cerca de 37%, ao passo que o Ibovespa recua 32%.

 

Procurada, Marfrig, que está em período de silêncio, não comentou.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Quer saber mais sobre o Broadcast? Fale conosco

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: