Mauá Capital, de Luiz Fernando Figueiredo, reduz área de multimercados por perdas

Mauá Capital, de Luiz Fernando Figueiredo, reduz área de multimercados por perdas

Altamiro Silva Junior

03 de setembro de 2021 | 08h09

Luiz Fernando Figueiredo, sócio fundador da Mauá Capital e ex-diretor do Banco Central. FOTO: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

A Mauá Capital, gestora que tem como sócio o ex-diretor do Banco Central, Luiz Fernando Figueiredo, está fazendo uma reestruturação. Resolveu reduzir a área de multimercado, fundos que não estão conseguindo entregar o retorno esperado, segundo a Mauá, em nota. O objetivo é priorizar a economia real, com a área de mercado imobiliário, que já representa 80% dos cerca de R$ 5 bilhões dos ativos sob gestão da Mauá.

“Tomamos decisões importantes para focarmos e continuarmos crescendo nas áreas que estão dando maior retorno para a empresa e para seus investidores”, afirma a nota. “Para isso, foi necessário fazer um downsizing na área de gestão de fundos multimercados.”

Fundos multimercados da gestora chegam a registrar perdas de quase 15% no ano, caso do Mauá Capital IPCA Hedge FIC FIM, que perde 14,5%, embora em um prazo maior, de 36 meses, ganhe 26%, segundo dados do próprio site da Mauá. Já o Mauá Macro FIC FIM acumula perda de 8,45% este ano.

A Mauá diz que os últimos três anos foram “muito desafiadores” e, apesar do esforço, “não conseguimos gerar a consistência nestes produtos da forma que os nossos clientes merecem”, afirma a nota, falando dos multimercados.

Com a mudança, a Mauá está reduzindo e mudando o perfil da gestão destas carteiras para alocação em ativos “dentro de limites bem definidos de volatilidade”. Assim, a área será menor e com uma gestão de mais longo prazo nas mãos do próprio Figueiredo.

Gestora priorizará ações e setor imobiliário

A Mauá já vem procurando investir mais nos últimos anos em ativos da economia real, como o setor imobiliário e ações. Recentemente, colocou os pés no segmento de infraestrutura, com um primeiro fundo voltado à área de saneamento.

Outro segmento de interesse da gestora é a ESG, sigla em inglês para compromissos sociais, ambientais e de governança. “Além de estarmos nos adequando completamente aos padrões de sustentabilidade internamente, estamos muito avançados em trazer soluções a grandes empresas para que elas possam ajudar seu ecossistema a se desenvolver, evoluir de forma sustentável.”

Na área de investimentos alternativos, a Mauá promete lançar em breve um novo produto de crédito estruturado, além de buscar mais fintechs para investir. Hoje já investe em duas dessas empresas, Pontte e Marvin, ambas de crédito. A Mauá tem atualmente 65 pessoas, das quais 30 são sócias.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 02/09/2021, às 22:17:03.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

 

Contato: altamiro.junior@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.