Maxtrack, de rastreadores, prevê expansão com internet das coisas

Maxtrack, de rastreadores, prevê expansão com internet das coisas

Circe Bonatelli

26 de maio de 2021 | 05h42

A Maxtrack, fabricante de rastreadores usados no monitoramento de pessoas e cargas, estima crescer 70% e faturar R$ 150 milhões em 2021. A empresa, com fábrica em Betim (MG), tem o plano de conquistar novos mercados oferecendo soluções customizadas de Internet das Coisas (IoT), uma vertical que já atende clientes de peso como a Vale, Raízen e Braskem.

O ramo da internet das coisas, isto é, conexão entre máquinas, veículos, eletrodomésticos e objetos em geral, deve crescer exponencialmente nos próximos anos com a chegada da internet móvel de quinta geração (5G). As principais aplicações devem ser vistas na indústria, agricultura e mineração, com saltos na produtividade, e só depois chegar aos consumidores finais.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 25/05, às 12h41.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

rastreadorescargasIOT

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.