Mercado especula candidatos para comandar fusão entre Susep e Previc

Mercado especula candidatos para comandar fusão entre Susep e Previc

Coluna do Broadcast

21 Dezembro 2018 | 12h41

Definidos os nomes do primeiro escalão da equipe econômica do futuro governo, o mercado começa a repercutir os possíveis perfis que irão comandar os órgãos reguladores de cada setor. No caso de seguros e fundos de pensão, a possibilidade de união dos xerifes de cada um deles, Superintendência de Seguros Privados (Susep) e Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc), voltou à tona, ainda que não tenha sido levada aos servidores das entidades. Mas uma mudança nas estruturas regulatórias de seguros e fundos de pensão pela equipe do “super ministro” da Economia, Paulo Guedes, é dada como certa. No caso da Previc, foi de lá que saíram acusações contra Guedes no âmbito da investigação iniciada pelo Ministério Público Federal (MPF) na gestão de fundos de investimentos.

Super seguro
Nesse cenário, surgem vários nomes que poderiam liderar a autarquia resultante da fusão de Susep e Previc. Solange Paiva, que no passado comandou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), disse, nos bastidores, que só vai se os órgãos, ambos ligados ao Ministério da Fazenda, forem transferidos para o guarda-chuva do Banco Central. O mercado de seguros discorda. “Banco tem aversão a risco, nós tomamos risco”, diz um interlocutor do setor. Outro nome ventilado é o do diretor da Susep, Carlos Alberto de Paula. Servidor de carreira com foco na área de seguros e previdência complementar, presidiu a Previc entre 2014 e 2015. É o nome preferido do pessoal de previdência.

Fica!
Questionado, a resposta de Carlos Alberto de Paula a pessoas próximas é de que seu compromisso é com a gestão atual da Susep. Capitaneada por Joaquim Mendanha, a administração agradou o mercado por desatar nós regulatórios existentes há anos. Só em resoluções foram aprovadas mais de 30 em apenas dois anos. Não é à toa a corrente para que o atual superintendente permaneça à frente do órgão. Nenhum convite, até o momento, foi feito. Por fora, outra força tenta emplacar o nome de Cássio Cabral, ex-diretor da Susep. Procuradas, Susep e Previc não comentaram.