Mercado espera fim de títulos incentivados no próximo governo

Mercado espera fim de títulos incentivados no próximo governo

Coluna do Broadcast

28 de outubro de 2018 | 15h17

O fim da isenção de Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento de títulos emitidos por empresas e bancos, como debêntures de infraestrutura, letras de crédito agrícola e imobiliário, entre outros, é considerado como possível num provável governo de Jair Bolsonaro, candidato do PSL. Existe uma corrente no mercado que aposta na retirada do benefício, que atraiu milhares de pessoas físicas para esses títulos, especialmente os mais endinheirados.

Sem pressa

No entanto, a expectativa é de que a mudança não seja imediata, mas quando os fundos de pensão e seguradoras estiverem prontos para substituir as pessoas físicas como financiadores da infraestrutura e de outros setores relevantes para a economia. Atualmente, esse grupo de investidores encontram barreiras regulatórias, que precisam ser ajustadas, para terem participação mais ampla no financiamento do setor privado. Essa mudança é vista como necessária, inclusive, diante da menor capacidade de empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Armados
A crença é tal que alguns dos grandes bancos, que trabalham junto às companhias na estruturação de debêntures de infraestrutura, estão mantendo os papéis em suas próprias carteiras. A ideia é oferecer esses papéis ao mercado depois, quando não mais houver títulos incentivados, proporcionando vantagem para os futuros investidores e capturando um prêmio em cima disso. Nos primeiros nove meses deste ano, as emissões de debêntures incentivadas subiram para R$ 15,8 bilhões, contra R$ 5,3 bilhões no mesmo intervalo de 2017.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos as notícias em tempo real.