Mineradoras viram faturamento engordar na pandemia e mantêm investimentos

Mineradoras viram faturamento engordar na pandemia e mantêm investimentos

Mariana Durão

28 de abril de 2021 | 05h15

A mina Casa de Pedra, da CSN Mineração / Foto: Antonio Milena

Quase metade das mineradoras (47%) teve de parar suas operações em algum momento nos últimos 12 meses, por conta da pandemia, embora a mineração seja classificada como atividade essencial pelo governo. É o que indica pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM), que mostrou que 75%, das 30 empresas entrevistadas, foram afetadas pela crise sanitária.

A maioria, entretanto, viu seu faturamento crescer graças ao boom nos preços das commodities e ao câmbio favorável. Com isso, 95% delas deve aumentar ou pelo menos manter investimentos em exploração mineral, em 2021. No último ano, a maior parte resolveu salvar as economias e só 35,3% das entrevistadas investiram em ampliação de capacidade ou novas minas.

Volta à normalidade depende da vacinação em massa 

Apenas 18% das mineradoras tiveram de demitir. A avaliação é que a volta à normalidade das atividades econômicas só ocorrerá com vacinação em massa. Também defendem que as empresas comprem e apliquem vacinas em seu efetivo e familiares.

A pesquisa não traz dados sobre o porcentual de infectados pela covid-19 nas operações das mineradoras. Na semana passada, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) aceitou a denúncia de entidades sindicais ligadas à mineração sobre a continuidade da operação das minas no Brasil, mesmo com o avanço das contaminações por covid-19 no País. O Estado brasileiro foi notificado na quarta-feira, 21, e terá 90 dias para se manifestar.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 27/04, às 18h18.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

 

Tudo o que sabemos sobre:

mineraçãopandemiafaturamento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.