Ministério Público pede falência da loteadora Urbplan

Ministério Público pede falência da loteadora Urbplan

Coluna do Broadcast

05 de abril de 2019 | 04h00

O Ministério Público do Estado de São Paulo pediu a falência da Urbplan ao juiz da recuperação judicial da loteadora e a extensão dos seus efeitos ao Carlyle Group, grupo norte-americano que atua na administração de ativos alternativos em private equity e serviços financeiros. Citando decisões e argumentações jurídicas anteriores, o Ministério Público diz haver indícios de esvaziamento do patrimônio da loteadora, o reconhecimento pelo poder judiciário de fraude praticada contra os credores e de que a empresa não tem capacidade de operar para cumprir suas obrigações empresariais.

Ainda não. A falência só terá efeito prático se o pedido for acatado pelo juiz da recuperação judicial. Entre os maiores credores da Urbplan está a securitizadora Gaia, com cerca de R$ 200 milhões. A Urbplan carrega também processos de 300 famílias que foram prejudicadas pela frágil situação financeira da companhia. O Carlyle Group tem argumentado que a Urbplan foi até 2017 um investimento proprietário indireto do The Carlyle Group L.P, separado e sem relação com os investimentos realizados no Brasil pela gestora de recursos de terceiros.

Com a palavra. Procurada, a RE Brasil Empreendimentos – nova empresa de loteamentos montada pelo Carlyle – informou que entende que vai aguardar a apreciação do juiz encarregado para se manifestar no momento oportuno.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Mais conteúdo sobre:

Urbplanfalência