Minoritários da Prumo querem árabe Mubadala fora da Assembleia

Coluna do Broadcast

27 de janeiro de 2017 | 05h00

Acionistas minoritários da Prumo Logística irão brigar para que o fundo árabe Mubadala, que possui 6,90% da empresa, fique de fora da assembleia de acionistas que deliberará sobre a realização – ou não – de um segundo laudo de avaliação para a Oferta Pública de Aquisição (OPA) das ações em circulação no mercado.

O motivo

O entendimento é de que a última carta enviada pela EIG, fundo americano que controla a Prumo com mais de 75% e que tenta fechar seu capital, não deixa dúvidas de que as duas partes compartilham interesses. Assim, querem que o Mubadala seja considerado parte vinculada ao controlador. Se a tese prevalecer, o árabe não poderia votar na assembleia, marcada para 24 de fevereiro. Em tal carta, a EIG questiona o laudo de avaliação realizado pela Brasil Plural, que trouxe um valor da ação mais elevado do que o ofertado pelo fundo controlador inicialmente.

De um lado e de outro

Sem o Mubadala, os minoritários da Prumo ganham força para pedirem um segundo laudo de avaliação da companhia. Isso porque, para que esse pedido seja acatado, é necessário que mais de 50% dos minoritários aprovem. Se o fundo árabe for considerado parte relacionada, sua participação fica de fora dessa conta. O outro minoritário relevante da Prumo é o Itaú Unibanco, com 4,75%.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.