Minoritários devem insistir em reavaliação de laudo para OPA da Prumo

Coluna do Broadcast

28 de fevereiro de 2017 | 06h27

Acionistas minoritários da Prumo estão apostando suas fichas em uma nova revisão do laudo de avaliação que foi feito pelo Brasil Plural. Na semana passada, o preço da ação no âmbito da Oferta Pública de Aquisição (OPA) subiu de R$ 10,51 para R$ 10,53. Agora, a expectativa é de que o preço aumente em ao menos R$ 2, em mais uma revisão do preço que poderia ser gerada com novos questionamentos da BM&FBovespa.

Objetivo
A intenção seria reforçar os argumentos para evidenciar que o Brasil Plural teria corrigido questões teóricas do documento, mas que não foram refletidas no novo preço da ação. Na última sexta-feira, esses minoritários, que queriam um novo laudo de avaliação, não conseguiram votos suficientes para aprovar o pleito em assembleia. Para eles, R$ 10,53 ainda está longe de ser um preço justo.

Tchau Bovespa
Na próxima assembleia da Prumo, a companhia, ex-LLX de Eike Batista, deve se despedir da Bovespa. Para o fechamento de capital há necessidade de aprovação de mais de dois terços das ações detidas pelos acionistas. Com o fundo árabe Mubadala mantendo sua posição e votando a favor da saída, o destino da Prumo, ao menos como empresa de capital aberto, parece estar traçado. No entanto, se o preço subir, como querem os minoritários, a questão será se o fundo americano EIG, controlador da Prumo, seguirá com seus planos para a OPA.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: