Natal perdeu para Black Friday no comércio eletrônico, mostra pesquisa

Natal perdeu para Black Friday no comércio eletrônico, mostra pesquisa

Circe Bonatelli

31 de janeiro de 2021 | 05h03

Rede de lojas de roupas TNG anunciou a demissão de cerca de 500 funcionários por conta do fechamento dos shoppings. FOTO: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

A Black Friday se firmou como uma data de primeira grandeza para o comércio eletrônico brasileiro, superando até mesmo o Natal. As vendas online em dezembro de 2020 cresceram 54% em relação ao mesmo período de 2019, mostrando uma evolução robusta dos negócios por canal remoto, após a eclosão da pandemia de covid-19. Por outro lado, o resultado foi 27% menor do que em novembro, mês da Black Friday.

Atrás de descontos. Os dados foram apurados pela Câmara Brasileira da Economia Digital em parceria com a consultoria Neotrust. Segundo as entidades, as vendas de dezembro foram menores do que as de novembro devido à força da campanha promocional, ocasião em que muitas pessoas aproveitam os descontos para antecipar os próprios presentes natalinos.

Ao todo. Em 2020, as vendas cresceram 74% em comparação a 2019, em termos de números de pedidos. Já no quesito faturamento, a alta foi de 84%, o que aponta para um crescimento no tíquete médio dos itens vendidos. Em ambos os critérios, o comércio eletrônico confirmou a trajetória de forte crescimento vista ao longo do ano, impulsionada pela pandemia e pela restrição à circulação de pessoas nas lojas físicas.

Tudo o que sabemos sobre:

natalblack fridaycomércio eletrônico

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.