Nova Cipasa entrega obras atrasadas e prepara novos projetos

Nova Cipasa entrega obras atrasadas e prepara novos projetos

Circe Bonatelli

27 de julho de 2021 | 15h45

Setor de construção civil está aquecido Foto: Werther Santana/Estadão

A loteadora Cipasa Urbanismo – ex-líder do setor – está preparando o lançamento de novos projetos para 2022. Se o plano sair conforme previsto, será uma retomada importante para a empresa, que está há cerca de cinco anos em reestruturação, após a última crise.

Neste ano, a companhia fez o relançamento de R$ 200 milhões. São projetos de um passado problemático, cujas vendas acabaram desfeitas e as obras paradas. Até o fim deste ano, a prioridade será desovar os estoques e garantir que as novas vendas sejam sustentáveis.

A companhia foi fundada pelo empresário Sérgio Villas Boas e vendida em 2010, no auge do mercado, para a gestora de private equity HSI. Em 2019, já em dificuldades, foi novamente vendida, agora para a loteadora goiana Lança (comandada pelo sócio Rogério Riquelme), em sociedade com a gestora QMS Capital (dos ex-Credit Suisse Marcelo Kayath e Edward Weaver), e o fundo imobiliário TG Ativo Real.

Juntos, os sócios investiram R$ 40 milhões para quitar dívidas, reorganizar escritório e, principalmente (90% do dinheiro) acabar obras atrasadas. Ao todo, havia quatro empreendimentos parados, somando 1,2 mil lotes. Dois foram entregues e os outros dois devem ser terminados neste semestre. “Foi um choque cuidar disso tudo”, diz Riquelme. “Tinha muito cliente bravo, mas mostramos uma boa história de turn around.”

Ex-líder

A Cipasa já foi a maior empresa de loteamentos do País, com R$ 600 milhões lançados em 2013, à frente até mesmo da tradicional Alphaville Urbanismo. O crescimento acelerado não se sustentou com o estouro da última crise, e com rescisão de vendas, sofreu com falta de dinheiro para as obras.

Com o reaquecimento do mercado, a companhia tem conseguido vender estoques e iniciar projetos. As vendas no primeiro semestre cresceram 65%, totalizando 342 unidades, ou R$ 45 milhões.

Agora a Cipasa vai desenvolver projetos com parceiros locais. No Rio Grande do Sul, formou uma joint venture com a Cotiza. Outras estão em negociação e devem ser confirmadas nos próximos meses. O objetivo é lançar loteamentos de padrão econômico, média e média-alta renda. No momento, a Cipasa tem 21 projetos ativos (com estande aberto, em obra ou recém-entregue) em 23 Estados – o que lhe assegura o posto de empresa com maior diversificação geográfica do setor.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 27/07/2021, às 10h02.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.