Pandemia deixou 60% das grandes empresas sob risco, diz estudo

Pandemia deixou 60% das grandes empresas sob risco, diz estudo

Gabriel Baldocchi

14 de fevereiro de 2021 | 05h15

Apesar de ter atingido com muito mais força as pequenas e médias empresas, a pandemia também colocou muitas grandes em situação delicada. Neste grupo, 58% ficaram na zona mais crítica quando considerado um eventual risco de falência. A análise foi feita pela consultoria Accenture, em estudo feito a partir dos dados do terceiro trimestre de 2020 das 60 maiores companhias de capital aberto do país. Antes da crise sanitária, esse patamar era de 47%.

Fator de transformação. A avaliação é feita a partir de itens como liquidez, capacidade de geração de receitas, volume de vendas e endividamento. O avanço no indicador é visto como oportunidade pela consultoria, já que muitas empresas nessa zona desconfortável adotaram medidas para rever por completo o modelo de negócios, com mudanças que vão desde redução de despesas, adequação do custo de capital e diversificação de receitas.

Transição. Com a perspectiva de melhora para a pandemia nos próximos meses, a expectativa é que as companhias também tenham um alívio. O número daquelas grandes em zona crítica deve ser menor neste ano, porém ainda acima do patamar de 2019.

No papel. Pelo menos na Bolsa, o grupo das 60 maiores conseguiu se recuperar bem do baque inicial da crise sanitária. O valor de mercado combinado delas está hoje quase R$ 500 bilhões acima do fim de 2019. No início da pandemia, em março, elas haviam perdido cerca de R$ 760 bilhões em valor de mercado.

contato: colunadobroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

pandemiafalência

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.