Pandemia derruba vendas de próteses, implantes e outros itens médicos

Pandemia derruba vendas de próteses, implantes e outros itens médicos

Circe Bonatelli

22 de setembro de 2020 | 05h10

 

Enquanto as vendas de álcool gel e máscaras dispararam na pandemia, outros mercados médicos encolheram, pois muitas pessoas adiaram consultas, exames e tratamentos. Dados da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde (ABIIS) mostram que o consumo de dispositivos médicos caiu 3,5% nos seis primeiros meses deste ano, na comparação com o mesmo período de 2019.

Em baixa. Os segmentos com maiores quedas foram próteses e implantes (-24%) e materiais e equipamentos para a saúde (-13%). Ao todo, o setor fechou 5,2 mil postos de trabalho, o equivalente a 3,7% do total de 136,6 mil trabalhadores nas atividades industriais e comerciais.

Tem explicação. O atendimento da população na pandemia aumentou a demanda por produtos de nichos específicos, como materiais e equipamentos usados em leitos de alta complexidade e testes à detecção do covid-19. Mas o cancelamento de procedimentos médicos não relacionados à pandemia reduziu as compras externas e a fabri­cação doméstica de produtos dos demais segmentos do setor, segundo o diretor executivo da ABIIS, José Márcio Cerqueira Gomes.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.