Pantalica cria startup de crédito em criptomoedas para reestruturações

Pantalica cria startup de crédito em criptomoedas para reestruturações

Cynthia Decloedt

20 de junho de 2022 | 16h00

Representação de bitcoin    Foto: REUTERS/Edgar Su

A Pantalica Partners, consultoria especializada em reestruturação de empresas, está investindo em uma plataforma para que as empresas em dificuldade tenham acesso a crédito em criptomoedas. Mesmo com o universo cripto vivendo um inferno astral, a aposta é na tecnologia do blockchain para abrir um novo bolso às companhias que estão reestruturando seu passivo e suas operações e atualmente contam, em sua maioria, com recursos de gestoras especializadas.

A Goyield, nome da plataforma, foi lançada na Itália no último mês em parceria com Pasquale Sorgentone, referência em seu país no universo de tecnologia e criptoativos, ao lado dos sócios da Pantalica, Salvatore Milanese e Bruno Carvalho. A startup é um exemplo clássico de finanças descentralizadas, em que o conceito é fugir da burocracia e dos custos do sistema financeiro tradicional. Três pequenas operações já foram fechadas, envolvendo tokens de precatório, de crédito trabalhista e de um crédito vencido tendo como imóveis como garantia

Ideia é que investidores de criptos possam adquirir imóveis e precatórios

Pelo lado do blockchain e instrumentos criptográficos, a proposta é dar acesso aos investidores de fundos de cripto a investimentos em ativos financeiros em situações especiais (distress, em inglês) e no financiamento de transações de fusões e aquisições de empresas em reestruturação. Além disso, a ideia é permitir que investidores de criptoativos possam adquirir imóveis, precatórios e obras de arte.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 20/06/22, às 10h10

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.