Paulistana RBR avança na compra, reforma e revenda de imóveis em Nova York

Paulistana RBR avança na compra, reforma e revenda de imóveis em Nova York

Circe Bonatelli

13 de abril de 2021 | 11h00

Vista do prédio One World Trade Center, a partir do barco que leva até a Estátua da Liberdade. Foto: Mônica Nóbrega/Estadão

A gestora paulistana RBR Asset, especializada em mercado imobiliário, fechou a venda do terceiro prédio residencial na cidade de Nova York como parte de um ciclo de investimentos na compra, reforma e revenda de unidades lá fora. O edifício tem apartamentos e fica no East Village, em Manhattan, próximo ao campus da New York University (NYU), e deve atrair estudantes.

A transação saiu no valor de US$ 13,2 milhões (em torno de R$ 70 milhões), gerando uma taxa interna de retorno (TIR) perto de 30% em dólares e com um cap rate (porcentagem da renda anual adquirida por meio de um imóvel) de 3,7% ao ano.

Conexão Manhattan

Em 2019, a RBR montou um instrumento de investimento offshore batizado de Club I para negociar 23 prédios residenciais nas regiões de Manhattan e Brooklyn. Foram investidos US$ 120 milhões. Ao todo, o portfólio conta com 190 apartamentos, dos quais metade já passou por retrofit e está alugado. Dois edifícios já haviam sido vendidos.

A gestora já captou outros US$ 30 milhões para RBR Club II, que continuará rodando a mesma estratégia de compra, reforma e revenda de imóveis em Nova York. O fundo já tem capital comprometido com dois prédios de quatro andares no Brooklyn, somando oito apartamentos no total. O preço das aquisições foi de US$ 5 milhões, com retorno estimado acima de 15% a.a. em dólares.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 12/04, às 10h53.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

mercado imobiliárionova yorkmanhattan

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.