Pedro Guimarães pretende transformar Caixa em SA

Pedro Guimarães pretende transformar Caixa em SA

Coluna do Broadcast

30 de novembro de 2018 | 04h00

A futura gestão da Caixa Econômica Federal, sob a batuta de Pedro Guimarães, pretende desenterrar o projeto de tornar o banco público em uma sociedade anônima (SA). O foco é melhorar a governança da instituição, aproximando-a das práticas de compliance das empresas com ações na bolsa. A mudança não é trivial. O próprio governo Michel Temer tentou transformar a Caixa em uma SA e não foi bem-sucedido. A mudança ficou ainda mais difícil, uma vez que esbarra na decisão do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), que exige autorização do Congresso Nacional para que seja feita.

Beiradas. A abertura de capital da Caixa, aventada em todos os últimos governos, também estaria no radar de Guimarães, que presidirá o banco a partir de janeiro e é conhecido por sua trajetória de privatizar ativos estatais. A atual equipe econômica orientou a futura gestão a privatizar o banco “pelas bordas” e deixar esse passo para depois. Guimarães tem tido conversas diárias com os atuais integrantes do Ministério da Fazenda. Ontem, dia 29, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que as privatizações não contemplam Banco do Brasil e Caixa.

Puxa a fila. Nesta estratégia de fatiar ativos, o primeiro que entrará na mira da nova gestão do banco público é a operação de seguros, que ficará sob o guarda-chuva da Caixa Seguridade. Um processo de venda do balcão já está em andamento e sua conclusão é exatamente a abertura de capital nos moldes da BB Seguridade, que concentra as operações de seguros do Banco do Brasil. Outra operação que deve voltar ao radar é a procura de um sócio para a área de cartões da Caixa. Procurado, o banco não comentou.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+

Tudo o que sabemos sobre:

Caixa Econômica Federal

Tendências: