Pelo menos metade dos IPOs na fila não deve chegar à Bolsa este ano

Pelo menos metade dos IPOs na fila não deve chegar à Bolsa este ano

Cynthia Decloedt

06 de outubro de 2021 | 05h10

Queda no valor de ativos, inflação e China preocupam investidores  Foto: Gabriela Biló /Estadão

Pelo menos metade das quase 30 ofertas iniciais de ações (IPOs, na sigla em inglês) em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) não chegará à Bolsa este ano. Gestores e os banqueiros que estruturam essas operações são unânimes nessa conta. Os gestores – que têm nas mãos os recursos a serem investidos – são ainda mais pessimistas no porcentual, já que ainda estão machucados pelas perdas com as ações que compraram nos IPOs recentes. Em conversas com investidores, um banqueiro disse que a queda no valor dos ativos é o que mais preocupa, depois da inflação e da China. Por isso, a tendência é entrarem apenas em ofertas maiores, a partir de R$ 1 bilhão. Mais líquidos, esses papéis de operações maiores são mais fáceis de ser vendidos.

Nesta semana, haverá duas ofertas com esse perfil: a da Comerc Energia, com pretensão de captar cerca de R$ 1,4 bilhão, e a da Enrivonmental ESG Participações, braço de gestão de resíduos da Ambipar, que pretende levantar R$ 3 bilhões. A Comerc já teria demanda para cobrir 80% da oferta.

No caso da Environmental, o apelo sustentável do negócio, no momento em que se tornar carbono neutro virou mantra dentro das empresas, agrada. Ainda assim, a resposta à pergunta sobre se essas ofertas vão de fato emplacar é: por enquanto, parece que sim.

Volátil por natureza

A verdade é que o mercado de ações é volátil por natureza. Os números mostram que muitas ofertas já aterrissaram na Bolsa este ano. No acumulado até setembro, o volume de ofertas de empresas já listadas e das que retornaram para captar mais recursos, de R$ 123,7 bilhões, já supera o total captado em 2020, de R$ 119,3 bilhões.

O vice-presidente da Anbima, Eduardo Laloni, não negou as dificuldades para as novas ofertas, especialmente diante da perspectiva de alta do juro até o fim do ano. Mas disse que o mais importante é que o fluxo de empresas batendo na porta dos bancos para estruturar operações é grande e o ingresso de investidores nesse segmento também tem sido relevante. “Um trimestre mais fraco e outro mais forte deve ser uma realidade”, disse.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 05/10/2021 às 19h49.

Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse

Tudo o que sabemos sobre:

IPO#bolsacriseaçõesChinainflação

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.