Perto de acerto com Santander, Credere mira R$ 3 bi em crédito veicular

Perto de acerto com Santander, Credere mira R$ 3 bi em crédito veicular

André Ítalo Rocha

02 de março de 2021 | 05h10

Orlando Seabra, CEO da Credere. Foto: Giovanna Rego/Credere

A Credere, plataforma que centraliza sistemas de diferentes bancos para financiamentos de veículos, está próxima de acertar a integração de mais duas instituições, o Santander, líder em crédito para automóveis no Brasil, e a Creditas, fintech especializada em empréstimos com garantia. Com isso, espera terminar 2021 com R$ 3 bilhões em financiamentos aprovados por meio da plataforma, o triplo do ano passado.

Pá-pum. Parceira de quatro bancos de varejo (Itaú, Bradesco, BV e Pan) e um de montadora (Honda), a empresa de tecnologia oferece a concessionários e revendedores uma plataforma por meio da qual o vendedor consegue simular e aprovar financiamentos de diversas instituições, com presença em 500 pontos de venda, em 25 estados. Para o presidente da Credere, Orlando Seabra, a pandemia acabou impulsionando a solução, mais alinhada à tendência de digitalização dos serviços. De março a dezembro de 2020, 30% dos pedidos foram aprovados.

Planos. Segundo Seabra, a Credere tem se beneficiado da maior percepção dos bancos de que é possível terceirizar soluções para melhorar a experiência ao cliente. Contudo, as instituições são grandes demais para abrirem mão do próprio sistema. A ideia, afirma, é ampliar a estrutura para poder atender às instituições financeiras que não operam no financiamento de veículos, com a Credere sendo a ponte entre um e outro.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 01/03/2021, às 18:42:13 .

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse http://www.broadcast.com.br/produtos/broadcastplus/

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.