Petrobrás conclui renovação de seguro e mantém tendência de taxa menor

Petrobrás conclui renovação de seguro e mantém tendência de taxa menor

Coluna do Broadcast

22 de outubro de 2019 | 04h00

A Petrobrás concluiu a negociação de seu programa de seguros, o maior do Brasil e um dos maiores do mundo no setor de petróleo, de cerca de US$ 170 bilhões em importância segurada. Conseguiu, novamente, baixar o custo das apólices, com exceção dos segmentos de transportes e responsabilidade civil, que a protege contra danos a terceiros. Os prêmios totais somaram cerca de US$ 52 milhões, superando o contrato anterior, de pouco mais de US$ 40 milhões. O movimento vai na contramão dos últimos anos, quando a Petrobrás enxugou seu programa de seguros aumentado franquias e transferindo menos riscos para as seguradoras. Além disso, as vendas de ativos da estatal também diminuem sua demanda por seguros. O prazo do contrato é de 18 meses.

Nunca antes. A maioria das apólices da Petrobrás ficou nas mãos do consórcio formado pela americana Chubb Seguros, na condição de líder, ao lado da japonesa Tokio Marine e da espanhola Mapfre via a corretora de seguros Aon. Depois de mais de dez anos como único dono do negócio, o trio terá de dividir as apólices da petrolífera com a Austral, controlada pela gestora Vinci Partners. A concorrente arrematou os seguros que cobrem o processo de pré-refino e somam US$ 12 milhões em prêmios. A corretagem ficou a cargo da irlandesa Willis Towers Watson, que já estava no contrato anterior da estatal.

Quase tudo. Até então isolado na gestão das apólices da Petrobrás, o consórcio ficou com as apólices do pós-refino (com prêmios da ordem de US$ 21 milhões), transporte (US$ 4,4 milhões) e responsabilidade civil (US$ 4,6 milhões). Chubb e Mapfre também ganharam a disputa no seguro dos executivos, conhecido como D&O. Os prêmios nessa modalidade alcançaram US$ 10 milhões e o prazo de duração da apólice é de 12 meses. O resultado do certame deve ser homologado nesta semana. Procurada, a Petrobrás não se manifestou. As seguradoras e corretoras mencionadas também não comentaram.

Contato: colunabroadcast@estadao.com
Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

petrobrás