Petrobrás exige confidencialidade de estruturadores de troca de bônus

Petrobrás exige confidencialidade de estruturadores de troca de bônus

Coluna do Broadcast

17 de setembro de 2019 | 04h00

A Petrobrás exigiu confidencialidade dos participantes da operação de troca de bônus concluída na sexta-feira, dia 13, no exterior, com o intuito de alongar o perfil de sua dívida e melhorar o custo desses papéis. O objetivo da companhia foi evitar vazamento de informações relacionadas à transação, o que pode causar volatilidade nos preços enquanto o negócio é realizado. Citi, Credit Agricole, HSBC, Mizuho, Morgan Stanley e Santander tiveram de assinar acordos de confidencialidade bastante rígidos.

Êxito. A Petrobrás obteve sucesso no esforço de reduzir o custo de sua dívida, além de estender o prazo final para pagamento. A petroleira emitiu US$ 4,1 bilhões em novos bônus de 30 anos e recomprou US$ 6,97 bilhões em papéis que estavam no mercado. A diferença foi paga com recursos de caixa. Procurada, a Petrobrás não comentou.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

petrobrás

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: