PicPay contrata BTG para IPO e vai escolher entre B3 e Nasdaq

PicPay contrata BTG para IPO e vai escolher entre B3 e Nasdaq

Fernanda Guimarães e André Ítalo Rocha

19 de fevereiro de 2021 | 05h05

Foto: Rogerio Cassimiro

Com a avalanche de empresas de tecnologia rumo a uma abertura de capital, o PicPay entrou oficialmente na fila e já contratou o BTG Pactual para ser seu coordenador em sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês). O restante do sindicato de bancos ainda será formado. A fintech, contudo, ainda não bateu o martelo sobre onde fará seu IPO: se escolherá a Nasdaq, bolsa americana reconhecida por atrair empresas de tecnologia, ou se será na B3, que tem provado desde o ano passado que um IPO de empresa “tech” pode ser feito localmente.

Em alta. O PicPay pertence à J&F, holding de investimentos da família Batista, que também controla a JBS. Em número de clientes, é a maior fintech do Brasil, com 41 milhões de usuários, mais que o dobro do que tinha no início da pandemia. No ano passado, foram R$ 49,6 bilhões em valores transacionados. Procurada, a companhia não comentou.

Contato: coluna.broadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

PicpayIPOnasdaqb3BTG Pactual

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.