Porto de Açu prepara ‘terreno’ para instalar indústria de celulose

Porto de Açu prepara ‘terreno’ para instalar indústria de celulose

Cynthia Decloedt

19 de agosto de 2021 | 05h05

Área industrial do Porto do Açu, no norte do Estado do Rio de Janeiro  Foto: Prumo Logística

O Porto de Açu, no norte do Estado do Rio de Janeiro, está fazendo estudos com a Embrapa Territorial para atrair fabricantes de celulose a seu parque industrial, que ainda está em fase de formação. A ideia é identificar áreas próximas ao porto próprias para a silvicultura, sendo que o Estado do Rio já identificou 290 mil hectares no norte fluminense com potencial de reflorestamento para atender políticas públicas de recuperação de áreas verdes e desenvolvimento econômico.

Na outra ponta, existe demanda de países europeus por biomassa a partir da madeira, em substituição ao carvão. A queima da madeira é considerada uma emissão de zero carbono, porque as florestas, especialmente as brasileiras, têm elevada capacidade de sequestrar a emissão de gás efeito estufa.

O porto mantém conversas com algumas empresas que, eventualmente, podem ter interesse em se instalar na área industrial, que ocupa 60 quilômetros quadrados. Atualmente, os principais exportadores brasileiros de papel e celulose são a Suzano, Klabin, Votorantim, CNP e a Eldorado. Os estudos da Embrapa, que pretendem entender a viabilidade do projeto, devem levar 120 dias.

Embora o porto seja responsável pelo escoamento de 25% das exportações de petróleo e o terceiro maior terminal de minério de ferro, o projeto de industrialização do complexo de Porto de Açu pretende ter como base projetos sustentáveis, de baixa emissão de carbono e geração de energia limpa. Um memorando de entendimento foi assinado em fevereiro com a australiana Fortescue para a implantação de uma planta de hidrogênio verde. Em janeiro, foi com a Equinor, para avaliação do desenvolvimento de uma unidade de geração solar fotovoltaica.

O Porto de Açu foi assumido pela Prumo Logística, após a quebra do império do empresário Eike Batista, criador do complexo. O porto está em operação desde 2014 e já demandou investimentos de R$ 18 bilhões. Para os próximos 10 anos, estão previstos mais R$ 22 bilhões em investimentos. Entre clientes e parceiros, estão Anglo American, BP, Equinor, Shell, SPIC e Siemens.

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 18/08/21 às 09h12.

O Broadcast+ é a plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Tudo o que sabemos sobre:

portosPorto de Açucelulosereflorestamento

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.