Porto Seguro quer expandir operação de seguro saúde para o Sul em 2022

Porto Seguro quer expandir operação de seguro saúde para o Sul em 2022

Matheus Piovesana

16 de novembro de 2021 | 05h15

O presidente da Porto Seguro, Roberto Santos. Foto: Fernando Martinho/Divulgação.

A Porto Seguro se prepara para expandir para fora do eixo Rio-São Paulo sua operação no setor de saúde. Segundo o presidente da seguradora, Roberto Santos, a ideia é chegar às capitais do Sul no ano que vem e também a Brasília. Esse passo, porém, se dará de forma orgânica, ao contrário do que outras operadoras de saúde têm feito nos últimos anos.

“A gente opera em São Paulo e Rio de Janeiro, e a intenção é expandir primeiro pelo Sul”, disse Santos ao Broadcast. “No próximo ano, a gente imagina operar na Grande Porto Alegre, Curitiba e em Santa Catarina. E em Brasília também”, afirmou.

Segundo ele, a expansão deve ser orgânica, ou seja, sem aquisições, porque as oportunidades de aquisição na região estão mais escassas. Nos últimos anos, operadoras como a Notre Dame Intermédica (que tem modelo de negócio verticalizado, diferente do da Porto), compraram operadoras regionais, inclusive no Sul, muitas vezes pagando valores considerados altos pelo mercado.

“As operadoras regionais praticamente todas são verticalizadas, e a nossa estratégia não passa por uma verticalização. A gente está trabalhando em uma ‘verticalização virtual'”, disse o executivo. A Porto Seguro sempre preferiu atuar no sentido de melhorar a gestão médica, o que exige maior proximidade com os hospitais. Por isso, teve cautela para se expandir.

“É difícil reproduzir isso em nível nacional. A gente está criando um modelo, usando inteligência artificial: com todo o histórico que temos em São Paulo, expandir para outros lugares”, disse. Por este motivo, ressaltou, a expansão se dará em fases.

Por enquanto, a Porto vem colhendo resultados positivos na vertical. No trimestre, a carteira de vidas chegou a 1,1 milhão, alta de 11,2% em base anual, e as receitas se expandiram 20%, para R$ 593 milhões. Segundo a companhia, este foi o quinto trimestre consecutivo de expansão da carteira de vidas.

A sinistralidade do seguro saúde, porém, subiu 12,7 pontos porcentuais em um ano, para 89,9%. Segundo a Porto Seguro, a alta ocorreu pela retomada de procedimentos eletivos e pelas internações relacionadas à pandemia da covid-19. Sem estes fatores, a sinistralidade teria sido de 73,9%. Em linha com outras seguradoras, aliás, a Porto reportou uma queda considerável nas internações por covid entre seus segurados, o que deve ajudar nos resultados à frente.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 10/11, às 20h37.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

segurosPorto Seguroplanos de saúdesaúde

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.