Rede D’Or espera captar até R$ 1,2 bi para bancar obras e aluguel

Rede D’Or espera captar até R$ 1,2 bi para bancar obras e aluguel

Altamiro Silva Junior e Cynthia Decloedt

03 de maio de 2022 | 05h27

Gigante de saúde usará recursos em aluguel de hospitais e expansão  Foto: Rede D’Or

Uma nova oferta bilionária de Certificado de Recebível Imobiliário (CRI) chega ao mercado este mês. A gigante de saúde Rede D’Or quer captar até R$ 1,2 bilhão para bancar o aluguel de seus hospitais, expansão ou construção de novas unidades, em uma das maiores ofertas de CRI dos últimos tempos. A expectativa é que a operação tenha definição das taxas no próximo dia 25. Não devem faltar compradores, já que o papel é isento de Imposto de Renda. O investidor interessado pode começar a fazer a reserva a partir desta terça-feira (03).

A oferta terá uma tranche com remuneração baseada no CDI e outras duas no IPCA, indicador de inflação que não para de surpreender para cima. Ou seja, com o juro e a inflação subindo, a isenção do Imposto de Renda, que incide sobre o ganho com o papel, ficou ainda mais atraente. A oferta é feita pela Opea Securitizadora e coordenada pela XP, Itaú BBA e Safra.

CVM analisa 15 operações de certificados de recebíveis

A operação é um novo indício da força do mercado de securitização este ano, enquanto as emissões externas patinam e as ofertas de ações estão paradas. As empresas aproveitam o forte interesse dos investidores, para captar a um custo melhor. No caso dos produtos isentos, ainda “dividem” essa economia que os investidores têm com o imposto. Desde agosto não há aberturas de capital na B3. Só na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) há 15 operações de certificados de recebíveis em análise, num total de R$ 8 bilhões.

 

Esta nota foi publicada no Broadcast no dia 02/05/22, às 17h14.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.