Regras de conteúdo local e a instabilidade jurídica são fantasmas que assustam o investidor, diz presidente da BP

Fernanda Guimarães

13 de novembro de 2019 | 17h41

Assustando o investidor

 

Por Mariana Durão

As regras de conteúdo local e a instabilidade jurídica são fantasmas que assustam o investidor estrangeiro interessado no País, segundo o presidente da petroleira BP do Brasil, Adriano Bastos. A uma plateia formada por executivos do setor de óleo e gás, em evento no Rio, ele citou o imbróglio entre a prefeitura do Rio e a concessionária Lamsa, que opera a Linha Amarela, como exemplo de insegurança jurídica. “A tentativa de encampar a concessão de uma estrada contra qualquer apoio jurídico cria ruído dentro da organização, porque a estabilidade jurídica é algo importantíssimo”, afirmou.

Alô, Tarcísio

O presidente da BP foi taxativo: “quando você precifica um investimento isso entra na análise de risco”. No mesmo momento em que Bastos dava o alerta, o ministro de Infraestrutura Tarcísio de Freitas anunciava em outro evento, na sede do BNDES, que a meta do governo federal é realizar de 40 a 44 licitações em 2020. Desse total, sete serão de rodovias.

 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.