Relatório de ex-Cade defende reprovação da fusão Kroton e Estácio

Coluna do Broadcast

27 Dezembro 2016 | 07h06

Diversos grupos de ensino têm feito barulho no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra a fusão das gigantes Kroton e Estácio, em análise pela autarquia. O coro acabou de ganhar força com relatório produzido pela consultoria do ex-presidente do Cade Gesner Oliveira, o qual conclui que a fusão deve ser reprovada pelos conselheiros. O documento foi levado ao Cade pela Ser Educacional, que chegou a disputar com a Kroton a compra da Estácio.

Ineficaz
O argumento da GO Associados, de Gesner, é que o remédio adotado pelo Cade em outra megafusão do setor educacional – a da Kroton com a Anhanguera – não foi eficiente. Naquele caso, de 2014, foi determinada a venda da Uniasselvi, mas o relatório alega que a Kroton conseguiu contornar os impactos do remédio abrindo novos polos de ensino a distância. “A experiência mostra que qualquer tentativa de compensar o tratamento monopolista desse setor educacional com concessões estruturais e comportamentais esbarra no exercício do poder econômico”, diz o estudo. (Dayanne Sousa)

Siga a @colunadobroad no Twitter