Setor imobiliário deve acelerar oferta de ações

Setor imobiliário deve acelerar oferta de ações

Coluna do Broadcast

01 de setembro de 2019 | 04h00

A incorporadora Trisul é a primeira de uma fila de companhias do setor imobiliário a buscar recursos na bolsa de valores. Coordenada pelo BTG Pactual e Bradesco, a empresa lançou na última sexta-feira, dia 30, sua oferta subsquente (follow on). A janela para captações se abre agora, com o fim das férias no Hemisfério Norte. Cyrela Commercial Properties (CCP) já informou interesse na possibilidade de oferta de ação.

Outras duas empresas, Kallas e a Cury, pretendem realizar ofertas iniciais de ações (IPO, na sigla em inglês) na B3 e começaram a contratar os bancos de investimento para estruturarem as operações. A Eztec, por sua vez, deve optar por um block trade, que é uma vendas de ação em bloco, em leilão na bolsa. Procuradas, as empresas não comentaram.

Fervilhando. O momento do setor justifica as operações. O índice do setor imobiliário na B3, o Imob, acumula valorização de 35% neste ano, ante 15% do Ibovespa. Além disso, depois de anos, as projeções são de crescimento, diante do ambiente de Selic baixa. Neste ano, a Tecnisa já fez um follow on e levantou R$ 400 milhões.

contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

mercado imobiliário

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: