Síndrome de Burnout avança entre executivos na pandemia

Síndrome de Burnout avança entre executivos na pandemia

Irany Tereza

11 de outubro de 2020 | 05h02

Executivos devem cumprir determinações legais nas lives. Foto: Stephanie Leqocq/Pool/Reuters

Executivos na pandemia. Sinais de esgotamento cresceram Foto: Stephanie Leqocq/Pool/Reuters

 

Uma das mais antigas empresas de check-up executivo em atuação no Brasil, a MedRio fez uma comparação dos resultados da checagem de saúde de 3.500 executivos entre abril e agosto deste ano com o mesmo período do ano passado. O resultado foi um aumento considerável das taxas de doenças crônicas e síndromes. Os sinais de Burnout, por exemplo, historicamente permaneciam na faixa média de 5%. Este ano, em meio à pandemia, saltaram para 12%.

Atenção. Síndrome de Burnout traduz exatamente o que a palavra significa em inglês: esgotamento. É uma moléstia reconhecida pela Medicina há 50 anos, caracterizada pela extrema fadiga física e mental no desempenho profissional. Nesses mais de seis meses de mudança brusca na forma de trabalhar, redimensionamento de negócios e novas definições de rotas estratégicas, este tem sido um dos efeitos colaterais da pandemia de covid-19 na rotina dos executivos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: