Startup brasileira do ramo de saúde capta 2 milhões de euros na Espanha

Coluna do Broadcast

27 de novembro de 2019 | 04h00

Fila de espera em hospitais. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Por Circe Bonatelli

Tem crescido no Brasil o número de startups que atuam no setor de saúde, atendendo pessoas que não conseguem pagar o preço elevado de um plano, mas não querem ficar à mercê do atendimento muitas vezes precário das redes públicas. De olho nesse mercado, a brasileira Vida Class acaba de receber um aporte no valor de 2 milhões de euros das espanholas Iporanga Advisory, sediada em Madri, e da GEM Research, de Barcelona.

Leia também: Plano de saúde ‘pay-per-view’ mira clientes do mercado informal

Saúde. A Vida Class funciona como uma espécie de marketplace, isto é, um espaço que reúne médicos, dentistas, laboratórios, clínicas e farmácias com descontos aos usuários cadastrados na plataforma. Em troca, a empresa fica com um porcentual do valor pago por esses clientes nas consultas e exames. A startup foi colocada em operação em 2015 por Vitor Moura, ex-diretor financeiro do Hospital Albert Einstein e do grupo Notre Dame Intermédica. Com o dinheiro captado dos investidores estrangeiros, a Vida Class investirá em tecnologia, marketing e melhorias na plataforma para ampliar o seu raio de atuação. Os planos envolvem também crescer em Portugal e na Espanha.

Notícia publicada no Broadcast no dia 26/11/2019, às 17:43:37

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

HealthtechStartupVida Class

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.