Sucessão na Rede, empresa de maquininhas do Itaú, começou antes da pandemia

Sucessão na Rede, empresa de maquininhas do Itaú, começou antes da pandemia

Aline Bronzati

10 de junho de 2020 | 04h50

O processo de substituição no comando da Rede, braço de maquininhas do Itaú Unibanco, teve início antes da pandemia. Paula Cardoso, escolhida para suceder Marcos Magalhães, deixou o cargo que até então ocupava, de CEO da unidade de negócios Carrefour eBusiness Brasil (CeBB), do Grupo Carrefour Brasil, em março. Na ocasião, alegou motivos pessoais.

Cardoso estava no Grupo Carrefour havia quase 8 anos e ocupou, inclusive, a posição de CEO no banco do conglomerado entre 2013 e 2018. Foi lá que teve contato com o diretor-geral de varejo do Itaú Unibanco, Márcio Schettini, a quem se reportará diretamente.

Nova chefia da Rede marca estreia de uma mulher na liderança no setor

A nova chefia da Rede traz um viés mais de mercado à companhia, que teve o capital fechado em 2012 e foi internalizada pelo Itaú. Marca ainda uma presença feminina do setor de maquininhas, comandado exclusivamente por homens.

Já o ex-presidente da Rede, Marcos Magalhães, vai assumir a nova diretoria executiva criada pelo banco voltada a crédito e cobrança. A área ganha ainda mais importância diante da pandemia, que tende a elevar os índices de inadimplências dos bancos.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

redeItaúcarrefour

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.