SulAmérica Investimentos usa filtro para captações ESG

Cristiane Barbieri e Altamiro da Silva Junior

Atualizamos nossa política de cookies

Ao utilizar nossos serviços, você aceita a política de monitoramento de cookies.

Febre ESG fez aumentar número de captações que se vendem como sustentáveis Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Com a explosão no número de captações de recursos que se vendem como ESG (ligadas a critérios de boas práticas ambientais, de sustentabilidade e governança, da sigla em inglês) por conta da febre com essa tendência, grandes gestoras começam a apertar os critérios do que consideram bons investimentos. Para evitar o greenwashing (passar a imagem e lucrar com virtudes inexistentes) de algumas emissões, a SulAmérica Investimentos, por exemplo, está aplicando filtros positivos e negativos, em relação a produtos financeiros nos quais pode investir.

É um sistema da própria SulAmérica, que tem R$ 46 bilhões sob gestão, e começa a aumentar a exigência dos critérios ESG em toda sua carteira, hoje dividida em 25 fundos. Segundo Marcelo Mello, vice-presidente da SulAmérica, nos últimos tempos, várias captações têm sido vendidas ao mercado como sendo ESG, mas com diferencial e entrega pouquíssimo ambiciosos. Seriam metas, por exemplo, de redução de emissão de gases que causam o efeito estufa, entre outras, muito fáceis de serem atingidas.

Ranking

Pela metodologia da SulAmérica, nenhuma captação é excluída, mas se a nota do produto financeiro for baixa, por conta do filtro negativo, receberá poucos recursos – ou não receberá nada. Cada empresa/ação entra em um ranking e a gestora escolhe os papéis que mais se destacam.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 28/07/2021, às 17h53.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Febre ESG fez aumentar número de captações que se vendem como sustentáveis Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Com a explosão no número de captações de recursos que se vendem como ESG (ligadas a critérios de boas práticas ambientais, de sustentabilidade e governança, da sigla em inglês) por conta da febre com essa tendência, grandes gestoras começam a apertar os critérios do que consideram bons investimentos. Para evitar o greenwashing (passar a imagem e lucrar com virtudes inexistentes) de algumas emissões, a SulAmérica Investimentos, por exemplo, está aplicando filtros positivos e negativos, em relação a produtos financeiros nos quais pode investir.

É um sistema da própria SulAmérica, que tem R$ 46 bilhões sob gestão, e começa a aumentar a exigência dos critérios ESG em toda sua carteira, hoje dividida em 25 fundos. Segundo Marcelo Mello, vice-presidente da SulAmérica, nos últimos tempos, várias captações têm sido vendidas ao mercado como sendo ESG, mas com diferencial e entrega pouquíssimo ambiciosos. Seriam metas, por exemplo, de redução de emissão de gases que causam o efeito estufa, entre outras, muito fáceis de serem atingidas.

Ranking

Pela metodologia da SulAmérica, nenhuma captação é excluída, mas se a nota do produto financeiro for baixa, por conta do filtro negativo, receberá poucos recursos – ou não receberá nada. Cada empresa/ação entra em um ranking e a gestora escolhe os papéis que mais se destacam.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Esta nota foi publicada no Broadcast+ no dia 28/07/2021, às 17h53.

Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse 

Contato: colunabroadcast@estadao.com

 

Tudo o que sabemos sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato