Tecnisa gastou R$ 3 mi para o ‘não’ à Gafisa, que vai insistir em fusão

Tecnisa gastou R$ 3 mi para o ‘não’ à Gafisa, que vai insistir em fusão

Circe Bonatelli

19 de novembro de 2020 | 05h05

A Tecnisa gastou R$ 3 milhões com assessores jurídicos e financeiros para proclamar o alto e claro “não” à proposta não solicitada de combinação de negócios com a Gafisa. Em setembro, os acionistas rejeitaram de forma quase unânime em assembleia (98% dos votos presentes) a proposta de união entre as duas empresas, que pegou de surpresa a Tecnisa algumas semanas antes. Até então, administradores de ambas as partes não haviam sentado para conversar.

Em bloco. A família Nigri é a controladora da Tecnisa, com 24% das ações. Ela fechou um acordo com acionistas para formar um bloco detentor de 33% de participação, com capacidade de votar de forma organizada contra a proposta da Gafisa. Esta, por sua vez, adquiriu 5% das ações da rival no mercado e tornou-se um acionista relevante.

Mão no bolso. Mas a conta pode ficar ainda mais alta para a Tecnisa. A direção da Gafisa avisou a investidores que só desistirá do negócio se esgotar as possibilidades de uma transação amigável. Neste momento, o grupo é assessorado pelo Credit Suisse numa tentativa de aproximação para fusão. Embora a Gafisa diga que a abordagem será amigável, os administradores de ambas as empresas continuam sem se falar, apurou a Coluna.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

imóveis

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.