Temer corre para emplacar venda da Embraer e Braskem

Temer corre para emplacar venda da Embraer e Braskem

Coluna do Broadcast

27 Setembro 2018 | 04h00

O presidente Michel Temer está empenhado em deixar a sua marca antes de passar a faixa para seu sucessor. A despeito do tempo curto, trabalha para terminar o mandato com a venda de duas grandes companhias brasileiras concluídas ou, ao menos, juridicamente encaminhadas, sem ponto de retorno: a da Embraer para a norte-americana Boeing e a da Braskem para a holandesa LyondellBasell.

O problema é que Temer não “combinou com os russos”: no Congresso há uma insatisfação latente com a movimentação do presidente. Até mesmo parlamentares da base governista já falam em criar dificuldades para a aprovação das operações caso precisem de aval da casa, já que uma liminar do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), proíbe a venda de estatais – ou de participações que essas empresas públicas tenham em outras companhias – sem a autorização do Congresso. O entendimento, contudo, é de que a venda da fatia da Braskem pela Petrobras não depende de aval do Congresso, visto que se trata de uma participação minoritária.

Lei de Garrincha. Nos bastidores, comenta-se que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, demonstra desconforto com a movimentação de Temer. Procurado, ele disse que, em sua avaliação, o assunto “precisa passar pelo Congresso”. “Podemos discutir, sim, após as eleições”, afirmou.

Sem credencial. A leitura nos corredores é de que o governo atual não tem legitimidade para emplacar duas transações de tamanha relevância. Ambas, contudo, seguem avançando. Esta semana, em comunicado ao mercado, a Petrobras informou que celebrou com a Odebrecht um aditivo no acordo de acionistas, que permite dar sequência às tratativas da venda da petroquímica para a holandesa.

O acordo, além de tudo, pode indicar que a Petrobrás deve exercer o tag along e vender, junto com a empreiteira, sua participação na Braskem. Já a Embraer reiterou, em comunicado, que no âmbito das negociações com a Boeing, o objetivo das partes “é fechar a operação com a maior brevidade possível”.

Siga a @colunadobroad no Twitter

Para ver a Coluna do Broadcast sem o delay assine o Broadcast+ e veja todos as notícias em tempo real

Mais conteúdo sobre:

embraerbraskem