Tentativa de compra de vacinas contra covid-19 pela iniciativa privada deve ficar para 2022

Tentativa de compra de vacinas contra covid-19 pela iniciativa privada deve ficar para 2022

Circe Bonatelli

21 de maio de 2021 | 11h00

saúde farmacêutica medicina vacina medicamentos remédios

Foto: Alex Silva/Estadão

A tentativa de compra de vacinas contra covid-19 pela iniciativa privada dificilmente irá se concretizar ainda neste ano. O motivo continua sendo a escassez de imunizantes no mercado, relata o vice-presidente de Compliance e Institucional da Multiplan, Vander Giordano.

A Multiplan, rede de 19 shoppings, como Morumbi (São Paulo) e Barra (Rio), é uma das empresas que avaliava a possibilidade de aquisição de vacinas. A ideia do grupo era adquirir um lote de aproximadamente 300 mil doses, das quais 200 mil seriam doadas para a rede pública e 100 mil usadas na imunização de funcionários da empresa, dos lojistas e das equipes de apoio dos shoppings, como limpeza e segurança.

Prioridade

Desde o começo do ano, o principal gargalo tem sido a falta de imunizantes para negociação. Diante desse cenário, os conglomerados farmacêuticos têm priorizado o envio de vacinas para os governos federais e estaduais, que, em tese, são capazes de articular campanhas mais abrangentes e organizadas.

A Multiplan informou que ‘permanece interessada na compra das vacinas quando aprovada pelas autoridades e sem prejuízo para o plano nacional de imunização, mas hoje não há disponibilidade para a iniciativa privada e por isso as conversas não avançaram’.

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 20/05, às 14h51.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Tudo o que sabemos sobre:

vacina; empresascovidpandemia

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.