Trabalhadores de saúde têm sofrimento psíquico por pandemia, diz pesquisa

Trabalhadores de saúde têm sofrimento psíquico por pandemia, diz pesquisa

Anne Warth

26 de agosto de 2020 | 05h00

A maioria dos profissionais que atua com serviços públicos manifestou sofrimento psíquico ao trabalhar em áreas diretamente relacionadas ao atendimento da pandemia. Pesquisa realizada pela Internacional de Serviços Públicos (ISP), sindicato global que representa 30 milhões de trabalhadores no mundo, mostrou que 54% deles sofreram por ter de lidar com situações às quais não se sentiam devidamente capacitados no País.

Quem são? Chamado de “Trabalhadoras e Trabalhadores Protegidos Salvam Vidas”, o levantamento mostrou que 69% dos profissionais de saúde e 77% dos trabalhadores e outros serviços públicos não receberam treinamento adequado para lidar com situações decorrentes da pandemia. Do universo de respostas, 86% vieram de profissionais de saúde, 75% eram mulheres e 64% eram servidores públicos, a maioria enfermeiros (33%) ou técnicos de enfermagem (14%).

Sem proteção. A pesquisa mostra ainda que 63% dos respondentes disseram que a quantidade de equipamentos de proteção individual fornecida em seu local de trabalho era insuficiente para troca e higienização, principalmente para os que cumprem turnos de mais de 12 horas. O levantamento consultou 3.636 trabalhadores de serviços públicos essenciais de empresas públicas e privadas (como prestadores de serviço de organizações sociais) de todo o País entre os dias 27 de março e 15 de junho.

Tudo o que sabemos sobre:

#covid-19

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.