Adaptada ao home office, metade dos usuários da Ticket foi pouco ao escritório

Adaptada ao home office, metade dos usuários da Ticket foi pouco ao escritório

Renato Carvalho

22 de abril de 2021 | 05h15

Mais da metade dos usuários da Ticket trabalhou de casa na maior parte do tempo na pandemia. Foto: Alex Silva/Estadão.

Mais da metade dos trabalhadores que recebem benefícios da Ticket, como vale alimentação, conseguiram ficar bem e em casa durante a maior parte do tempo no primeiro ano da pandemia. Apesar de só 21,5% terem trabalhado o tempo todo em home office, 2,3% foram pouquíssimas vezes ao escritório e outros 26,4%, apenas em situações pontuais, segundo pesquisa da empresa. A outra metade (49,8%) dos mil entrevistados em todo o País disse ter ido semanalmente ao escritório.

Nesse período de um ano, os trabalhadores também aprenderam a trabalhar de casa. Enquanto levantamento da Ticket de abril do ano passado mostrou que só 27% estavam bem adaptados ao home office, agora 49% já estão confortáveis. O novo levantamento também indicou que 27,7% ainda estão se ajustando e 23,3% não conseguiram se adaptar ao sistema de jeito nenhum.

Quase metade dos entrevistados terão home office por tempo indeterminado

Muitos terão de aprender, já que 49,1% disseram que os empregadores vão manter o regime por tempo indeterminado. Um terço das empresas (28,9%) avaliam o modelo periodicamente e em 14,2% optaram pelo teletrabalho até que a ampla vacinação tenha sido garantida. Só 7,8% das companhias já definiu o home office como modelo de trabalho permanentemente. A Ticket não revela sua perda de receita, em função da pandemia.

 

Esta reportagem foi publicada no Broadcast+ no dia 21/04, às 14h16.

O Broadcast+ é uma plataforma líder no mercado financeiro com notícias e cotações em tempo real, além de análises e outras funcionalidades para auxiliar na tomada de decisão.

Para saber mais sobre o Broadcast+ e solicitar uma demonstração, acesse.

Contato: colunabroadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroad no Twitter

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírusempresashome office

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.