UBS negocia com BB escolha de funcionários para banco de investimento

UBS negocia com BB escolha de funcionários para banco de investimento

Coluna do Broadcast

15 de setembro de 2019 | 08h40

O UBS negocia com o Banco do Brasil a possibilidade de selecionar funcionários no seu quadro para formar a joint venture na área de banco de investimento. Os “escolhidos” teriam, contudo, a possibilidade de voltar ao BB em algum momento quando assim desejassem. A medida, cujo martelo ainda não está batido, pode despertar o interesse dos funcionários no BB, de olho, principalmente, em salários melhores dos que aqueles pagos pelo banco estatal. Isso porque como o UBS será o sócio majoritário do negócio, definirá a política de cargos e salários para toda a equipe da joint venture. Se fosse ao contrário, os funcionários do banco público teriam de estar vinculados à alguma estrutura do próprio BB, ou seja, seguindo as mesmas políticas de remuneração do banco – as chamadas amarras estatais.

Experiências passadas…Estruturar uma política única de cargos e salários é fundamental para o sucesso da joint venture entre BB e UBS. No passado, o assunto já deu bastante dor de cabeça ao banco. Uma medida similar foi adotada quando o BB se tornou sócio do Deutsche Bank na consultoria financeira MaxBlue, no início dos anos 2000.

…Mudam o presente. A joint venture era formada por funcionários do banco público e do privado, o que só gerou confusão. Isso porque apesar de os colaboradores do BB “carregarem o piano” e, em muitos casos, serem mais capacitados e qualificados, ganhavam bem menos que a equipe do Deutsche mesmo com as mesmas atribuições. Este foi um dos principais motivos da derrocada da joint venture com o Deutsche Bank, desfeita em 2010. Procurados, UBS e BB não comentaram.

Contato: colunabriadcast@estadao.com

Siga a @colunadobroadcast no Twitter

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.